O que causa as cólicas no bebê e como resolvê-las?

A ocorrência de cólicas no bebê pode dar inúmeros sinais aos pais e, muitas vezes, não é percebida com facilidade. Chorar é o modo como um bebê se comunica e ele faz isso diversas vezes no dia, para indicar, por exemplo:

  • Que está com fome;

  • Que precisa ser trocado;

  • Que está com sono;

  • Que quer atenção, simplesmente.

O problema é que, às vezes, ele chora mais que o normal; um choro intenso e ininterrupto. É nesse momento que as mães começam a ficar mais preocupadas e até sem saber o que fazer.

O choro incessante pode ser um sinal de cólicas no bebê e esse desconforto acaba fazendo com que ele sinta dores. Mas afinal, o que causa as cólicas no bebê e como você pode resolvê-las?

Como saber se o bebê tem cólica?

Como foi dito, um bebê que tem cólica sente muita dor e expressa isso por meio de alguns sinais além do choro constante como, por exemplo, ficar muito inquieto e se contorcer.

A barriga pode ficar mais rígida, por conta da concentração de gases e também é comum que ele faça caretas, encolha as pernas até a barriga e solte gases.

É importante observar bem o seu comportamento, já que ele não consegue expressar por meio de palavras nem gestos o que sente.

Se ele tem um ou mais sintomas como os que foram descritos, ele pode estar com cólicas.

É possível evitar as cólicas no bebê?

Essa dúvida é muito comum entre as mamães, afinal, ver o filho chorar de dor é uma verdadeira tortura. A boa notícia é que é, sim, possível prevenir as cólicas no bebê.

Normalmente, a cólica aparece de duas a três semanas depois do nascimento e não há ainda um motivo conhecido para que ela surja, pois não afeta todas as crianças, mas tanto meninos quanto meninas podem vir a senti-la. Algumas das explicações possíveis são:

  • O sistema digestivo de um bebê é imaturo, fazendo com que ocorra uma reação às substâncias presentes no leite, seja ele materno ou artificial;

  • Seu sistema nervoso ainda não é maduro e, por isso, é mais sensível;

  • A criança tem dificuldades para expelir os gases;

  • O tabagismo durante a gestação — da mãe ou de alguém que conviveu com ela nesse período — pode causar uma predisposição às cólicas no bebê.

Amamentação no seio

Embora a cólica possa ser causada por qualquer tipo de leite, dar de mamar no seio é uma forma de evitar que o bebê engula ar durante a amamentação, evitando os gases e, consequentemente, a cólica.

Além disso, o leite de vaca sofre mais fermentação no sistema digestivo, o que também pode causar o desconforto. Substituí-lo pelo leite materno evita isso.

Alimentação da mamãe

Outra forma de evitar as cólicas no bebê é evitando que a mãe coma alguns tipos de alimentos, já que certas substâncias ingeridas passam para o leite e podem causar as cólicas, como por exemplo: 

  • Temperos muito fortes e alimentos como a couve-flor, o brócolis, o repolho e a cebola podem alterar o sabor do leite materno;

  • Leite e derivados podem causar reações alérgicas;

  • O chocolate, por conter cafeína, também pode causar irritabilidade e alterar os movimentos intestinais;

  • Carnes vermelhas e leguminosas — ervilha, feijão, grão-de-bico etc.  também podem resultar na formação de gases.

Como alguns desses alimentos são muito nutritivos, é importante conversar com um médico para saber formas de evitar as cólicas no bebê sem prejudicar a ingestão dos nutrientes que ele precisa.

Como diminuir o desconforto?

Nem sempre é possível fazer com que o bebê não tenha cólicas, mesmo existindo formas de evitá-las.

Sendo assim, é importante saber como amenizar o desconforto sentido pelos pequenos. Algumas ações podem ajudar, e muito, para que seu bebê sinta menos dores.

Aqueça a barriga

Aquecer a barriga do bebê pode aliviar as cólicas. Existem várias formas de fazer isso:

  • Dar um banho no bebê. A temperatura da água deve estar quente, mas agradável para a pele sensível dele;

  • Aquecer a barriga colocando uma bolsa de água morna envolta em uma toalha;

  • Colocá-lo de bruços no berço, pois isso vai fazer a barriga ficar mais quentinha.

Coloque o bebê para arrotar

Se a cólica do seu bebê estiver sendo causada por gases, colocá-lo para arrotar pode ajudar. Isso porque, ao arrotar, os gases que estão causando a cólica acabam saindo.

Vale lembrar que, se a criança não arrotar em cinco minutos, não é necessário continuar esperando; ela já pode ser deitada no berço.

Movimente as pernas do bebê

Movimentar as pernas pode fazer com que o seu bebê solte os gases que estão fazendo ele ter cólicas.

Faça movimentos como se ele estivesse andando de bicicleta e você verá como isso pode amenizar a dor dele na mesma hora.

Verifique o furo da mamadeira

Como já dito, a mamadeira pode fazer com que o bebê engula ar. Isso fica ainda pior quando o furo dela é muito grande.

Se seu bebê se alimenta por meio da mamadeira, veja se o furo por onde passa o alimento não está maior que deveria.

Conte com a ajuda dos chás

Os chás de camomila e de erva-doce podem ser uma excelente alternativa para tratar as cólicas no bebê, pois eles têm um efeito antiespasmódico que alivia as cólicas e faz com que a produção de gases seja diminuída.

Se o bebê mamar apenas no peito, a mãe pode tomar o chá, pois as propriedades serão transferidas pelo leite materno.

Qual a importância do diagnóstico?

Embora a maior parte das cólicas no bebê seja causada pelo acúmulo de gases, existem outros fatores que podem causar o desconforto abdominal.

Se as cólicas forem causadas pela reação alérgica ao leite e seus derivados, por exemplo, não adiantará simplesmente diminuir o desconforto; será preciso evitar que o bebê consuma esses alimentos.

Além disso, é válido consultar um médico, para ter certeza de que não se trata de algum outro problema como a hérnia ou uma infecção.

É importante que, ao notar quaisquer diferenças no comportamento da criança, mesmo que se desconfie de cólicas no bebê, ele seja levado a uma consulta com um médico.

Agora que você já sabe o que causa as cólicas e também como evitá-las, leia outro artigo e descubra também quais são as doenças mais comuns em bebês recém-nascidos!

Gostou desta matéria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *